Azáfama; grande atividade; agitação; rebuliço.

08
Mai 11

 

Não gostei do que vi na estreia do novo programa de Domingo à noite na RTP1 "O Último a sair". Palavrões constantemente em prime time na televisão pública para famílias partilharem e falta de originalidade marcou a estreia deste programa. Até pode ser que a qualidade melhore nos próximos episódios e eu mude de opinião, mas para já, esperava mais de uma ideia do Bruno Nogueira, na minha opinião um dos melhores humoristas do país. Este programa compete com o programa dos gordos (SIC) e com aqueles pseudos do jet-set na selva (TVI). Tal como o país, muito mal anda a televisão, será que FMI não tem uma delegação para intervir nos conteúdos dos canais nacionais?

O PSD quer privatizar a RTP, provavelmente para fazer um frete ao Francisco Pinto Balsemão, por isso este tem dado grande apoio a Passos Coelho (veja-se o Semanário Expresso deste fim-de-semana, quase parece um outdoor do PSD), Balsemão assim poderia tirar da frente um grande concorrente, por sinal de serviço público, e pensar em liderar o monopólio da comunicação social em Portugal.     

publicado por polvorosa às 23:09

Eu não sou obrigado a pagar um serviço publico de televisão que compete com os privados, o serviço de televisão publica não deve servir para fazer frente ás empresas privadas. Os meios que tem ao seu dispor são astronómicos e não deixam margem para concorrência com os operadores privados. Se somarmos a isto 500 milhões de prejuízos por ano, dá para perceber porque é que este país anda muito mal.
Vocês esquecem-se que para haver estado alguém tem de pagar!!!!
Se quisermos ser competitivos deixem as empresas prosperar, baixem os impostos e acima de tudo não deixem ir para lá os socialistas, que essa praga mina tudo onde metem as mãos.
peixebanana a 9 de Maio de 2011 às 01:02

Na Itália de Berlusconi foi-se por aí, hoje o Silvio controla toda a comunicação social e a opinião pública italiana, a justiça é feita na praça pública e por isso lá se vai safando. No meu entendimento a RTP1 e 2, a Agência Lusa, Antena 1, 2 e 3, RTP África e RTP Internacional devem ser públicas e não se fazer o erro de entregar a informação pública a grupos empresariais privados, isto não ia acabar bem, mas obviamente é necessário gerir com maior eficiência e rigor sem esbanjamento. Acho que o Balsemão está à espreita para ver se consegue deitar a mão à publicidade da RTP e caçar a RTP2. Puramente interesse empresarial para alargar o cinto de alguns, enquanto outros o têm de apertar cada vez mais.

Sabes que mais, para se tocar viola tem de se ter unhas e o que tu me dizes é que ninguém deve deixar crescer as unhas que o estado toca por nós. É com esta mentalidade que os nossos filhos crescem, formam e mais tarde são inseridos no sistema de trabalho. A cultura empresarial é mínima e os empresários são todos uns bandidos!! Estou farto desse discurso.
Se querem um país saudável deixem as empresas prosperar, existem leis no nosso pais que possibilitam a igualdade de aprendizagem.
Se a SIC tiver mais "share", vai com certeza empregar mais gente e pagar mais impostos. A lei do mercado é normalmente mais fiável do que esta que eu não sei muito bem o que é. E com Sócrates á mistura fica sempre tudo ainda mais complicado.
peixebanana a 12 de Maio de 2011 às 00:11

Correio electrónico:
polvorosa@sapo.pt
comentários recentes
Deslize ou talvez não a despedida não é inédita. "...
"De lembrar que no contexto mais difícil desde que...
Respeito o seu comentário, mas eu cá acho que foi ...
Achei descabido a alusão a Eusebio no discurso da...
Estatisticas de funcionários nas autarquias a níve...
pesquisar neste blog
 
links
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links