Azáfama; grande atividade; agitação; rebuliço.

24
Jan 11
  

 

 

Vencedores: Cavaco Silva, Fernando Nobre e José Manuel Coelho.

 

Derrotados: Manuel Alegre, Defensor de Moura e Francisco Lopes.

 

Principal problema - Abstenção de 53,37% revela um sistema doente.

 

Falha: Os problemas detectados com os cartões de cidadão e os locais de voto são uma aberração que impediram pessoas de exercer um direito cívico através do voto, inaceitável.  

 

Cavaco Silva foi reeleito com menos 526508 votos do que nas eleições presidenciais de 2006.  

 

Fernando Nobre teve um excelente resultado sem o apoio de nenhum partido político, o voluntariado e as redes sociais foram a sua máquina. A seguir.

 

José Manuel Coelho arrecadou imensos votos, então na Madeira foi um verdadeiro bailinho, a democracia está a aprender a conviver com estes cromos.

publicado por polvorosa às 23:42

 

 

 

Vencedores: Cavaco Silva, Fernando Nobre e José Manuel Coelho.

 

Derrotados: Manuel Alegre, Defensor de Moura e Francisco Lopes.

 

Alegre deslumbrou-se com a votação obtida em 2006, tentou fazer aritmética este ano, somando apoio de partidos e deu-se muito mal, percebe-se que Bloco e PS não podem estar juntos. Foi também penalizado pelo desgaste da acção do Governo.

 

Cavaco Silva ganhou com 52,94% mas perdeu 526508 votos obtidos em 2006. Está a encolher.

 

A abstenção foi de 53,47%, revela que existe uma doença neste sistema político, os cidadãos estão a afastar-se da democracia.

 

Os problemas dos cartões de cidadão e os cadernos eleitorais foram erros demasiado graves para ficarem impunes. Ninguém pode ficar impedido de votar porque isso é um dever e um direito cívico.

 

Fernando Nobre obteve uma grande vitória, sem o apoio de máquinas partidárias, trabalhou bastante e percebe-se que cerca de 1/5 dos eleitores alinham em candidaturas independentes contra a lógica político-partidária.

 

José Manuel Coelho obteve 4,5% o que torna actual novas técnicas de ir a eleições, com humor, rídiculo e palermices, dá votos.

 

Francisco Lopes perdeu 166.302 votos obtidos por Jerónimo em 2006. PCP nem sequer conseguiu segurar eleitores.

 

As relações entre o Presidente da República e Primeiro-Ministro azedaram ainda mais na campanha e isso não é bom para o país que devia ter estabilidade política e não a "crise política" que Cavaco referiu na campanha.

publicado por polvorosa às 08:11

20
Jan 11

publicado por polvorosa às 13:18

19
Jan 11

Investigação da Revista Visão

 

A casa de férias de Cavaco Silva foi adquirida a uma empresa subsidiária da Opi 92, de Fernando Fantasia. O Presidente da República continua sem dizer onde está a escritura pública da transação.

 

 

No dia 17 de fevereiro de 1999, quarta-feira de cinzas, dava entrada na Conservatória do Registo Predial de Albufeira a aquisição do lote 18 da Urbanização da Aldeia da Coelha. Uma permuta entre o casal Aníbal e Maria Cavaco Silva e a empresa Constralmada - Sociedade de Construções, Lda, atesta a passagem da propriedade para o atual Presidente da República. No registo não se encontra, como a VISÃO noticiou na edição de 13 deste mês , a escritura pública que contratualiza a permuta. Ou seja, não se pode apurar, e Cavaco Silva não esclarece, o que deu em troca dos dois lotes de terreno (os antigos lotes 18 e 19 do loteamento inicial, correspondentes ao atual lote 18, e o "edifício composto por cave, rés-do-chão e 1º andar, do tipo T-6, com logradouro" de 1891 metros quadrados).

 

Clique aqui para ler todo o artigo da Revista Visão.

publicado por polvorosa às 13:01

11
Jan 11

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A campanha para a eleição presidencial de 2011 tem sido enfadonha, o discurso é completamente ao lado porque há candidatos desconhecedores dos poderes presidenciais, dizem que vão fazer isto e aquilo, parecendo ignorar o que a Constituição lhes permite, os candidatos não mobilizam, não apresentam uma agenda positiva para o país, já quase ninguém acredita naqueles que estão há décadas à frente dos destinos de um país à beira mar plantado chamado Portugal, num jogo constante de toca e foge com os partidos políticos. Cavaco foi primeiro-ministro entre 1985 e 1995, esmifrou os milhões dos QCA, o descalabro das contas públicas e o nascimento do "monstro" financeiro começaram na sua maioria absoluta não pensando nas consequências futuras dessa inconsciência ao serviço de interesses momentâneos. Armou-se em vítima e frequentemente referindo as "forças de bloqueio" quando a sua vontade não era feita, foi o autor da célebre frase de autoritarismo "nunca tenho dúvidas e raramente me engano". Não vou esquecer as imagens da Ponte 25 de Abril onde sob a suas ordens a polícia brutalizou cidadãos que aí manifestaram o seu descontentamento contra as portagens.

 

Cavaco Silva teve um primeiro mandato presidencial com casos infelizes como a invenção do caso das escutas que nunca existiu e ficou demonstrado tratar-se de um plano entre um jornal e o seu assessor de imprensa para atacar o governo. O Estatuto dos Açores assumiu por Belém uma dimensão que nunca devia ter tido. No caso BPN o problema agudiza-se, aquela gigantesca fraude que custou para já 5 mil milhões de euros aos contribuintes foi cometida por seus ministros e secretários de Estado, quando se percebeu as maroscas, defendeu até ao limite Dias Loureiro no Conselho de Estado, foi praticamente necessário os outros conselheiros correrem com aquela ovelha negra. Pior, não teve uma palavra a condenar a gestão criminosa dos seus anteriores colegas de governo no BPN, mas condenou a actual administração e o governo que está a tentar limpar a porcaria ali deixada, levando à saída de milhões em créditos até aí depositados naquele banco. Descobriu-se que ganhou 140% num negócio directo com Oliveira e Costa na compra de umas acções daquele banco fora do mercado bolsista e Cavaco tenta fazer crer que isso é normal e admissível a quem tem responsabilidades políticas.

 

Entretanto, as hostes de Passos Coelho estão como moscas na sopa, desertas que o FMI aterre em Portugal, têm a seguinte estratégia, o chefe do FMI para a Europa é António Borges (ex. vice-presidente do PSD), vão querer fazer o mesmo de sempre, reduzir salários, cortar nos apoios sociais, despedir funcionários públicos, aumentar a precariedade no trabalho, como fizeram na Grécia e na Irlanda, perguntamos se a situação melhorou nestes países? Não. A Grécia está a ferro e fogo, a Irlanda cortou 10% na despesa pública e despediu 20.000 funcionários. A União Europeia liderada por Durão Barroso, ao serviço dos grandes bancos alemães e do capital, caminha para o abismo, sem futuro nem esperança, com saudade de grandes lideranças europeus. Por cá, Passos Coelho ainda este fim-de-semana deu um sinal que quer o FMI em Portugal, disse que se o fundo vier, dever-se-á demitir o governo, esquecendo que este é legitimamente eleito. Estamos já a ver o filme, Cavaco ganha agora as presidenciais, vem o FMI logo a seguir, parlamento é dissolvido, convocam-se eleições antecipadas, PSD ganha. Criando-se assim artificialmente um presidente, uma maioria e um governo (coligação com o PP de Portas), no fundo o poder absoluto pretendido por Sá Carneiro, ao mesmo tempo que o povo paga as festanças das orgias dos senhores do capital nos mercados desregulados. Errar é humano, mas o Presidente da República não pode errar consecutivamente e não admitir a mais pequena falha, afinal ele também é humano.

publicado por polvorosa às 23:56

19
Fev 10

 

Para as eleições presidências entra hoje em jogo um nome muito forte. Fernando Nobre, médico e fundador da A.M.I. apresenta hoje a sua candidatura para a eleição presidencial. Em Agosto de 2008 escrevi isto sobre este humanista e visionário português. Fico muito contente por saber da sua disponibilidade para se candidatar a Belém. Vem dar um novo ânimo à disputa eleitoral, acho que pode ser o candidato da diferença. A política em Portugal está demasiado bafienta e rasteirinha, no meu ponto de vista, é necessário mudar actores e vícios de forma ao sistema readquirir equilíbrio e credibilidade.

 

Nobre foi apoiante de Soares nas últimas presidenciais, foi mandatário do Bloco de Esquerda nas últimas Europeias, nas Autárquicas de 11 de Outubro integrou Comissão de Honra de António Capucho do PSD e ao mesmo tempo integrou Comissão de Honra de António Costa PS. Isto sim, é um verdadeiro cidadão com sentido de responsabilidade e missão. Um sério candidato, um Homem à altura das situações. 

    

O mandato de Cavaco Silva tem sido desastrado, desde o caso das escutas a Belém, a complicadíssima situação económica e social, o caso do estatuto dos Açores. Porém, tem a seu favor o facto de ser candidato único na direita, o que já não acontece à esquerda. Vai ser interessante ver como PS, Bloco de Esquerda (que já disse apoiar Alegre) e PCP se posicionam neste importante confronto eleitoral. A minha escolha para já está feita. Espero uma segunda volta nas presidenciais e ver Nobre em posição de ser o Presidente de todos os portugueses.   

 

publicado por polvorosa às 17:46

Contador
Correio electrónico:
polvorosa@sapo.pt
comentários recentes
Deslize ou talvez não a despedida não é inédita. "...
"De lembrar que no contexto mais difícil desde que...
Respeito o seu comentário, mas eu cá acho que foi ...
Achei descabido a alusão a Eusebio no discurso da...
Estatisticas de funcionários nas autarquias a níve...
pesquisar neste blog
 
links