Azáfama; grande atividade; agitação; rebuliço.

10
Nov 11

O presidente da Companhia das Lezírias, António João de Sousa, nomeado ainda no Governo PS, vai abandonar o cargo no prazo de um mês mas deixa a maior empresa agrícola nacional, com sede em Samora Correia, Benavente, com um lucro que rondará o milhão de euros.


O melhor resultado dos últimos dez anos da maior empresa agrícola nacional, detida exclusivamente por capitais públicos, foi conseguido em tempo de crise por via da plantação de mais 300 hectares de arroz e de contratos plurianuais para a venda da cortiça. Em 2010 os lucros já tinham atingido os 510 mil euros, mas a estimativa (até Outubro de 2011) é que no final deste ano as receitas tenham mais do que duplicado.


António João de Sousa confirmou a O MIRANTE que apresentou na semana passada o pedido de cessação de funções. “Esta decisão não tem que ver com qualquer animosidade em relação à tutela”, sublinha António João de Sousa que considera que dada a exigência do cargo é necessário que o presidente do conselho de administração esteja munido de “plenos poderes” já que é também por inerência presidente da Fundação Alter Real, presidente da Associação de Beneficiários da Lezíria Grande e vice-presidente não executivo do Conselho de Administração da Orivárzea.


Depois das últimas eleições legislativas de Junho, que deram a vitória ao PSD que fez coligação com o CDS-PP, o Governo ainda não tinha tomado a iniciativa de nomear uma nova equipa e por isso o presidente do conselho de administração, António João de Sousa, bem como o vogal, Manuel Nogueira, decidiram pressionar e abandonar os cargos.


A Companhia estava em “gestão corrente” desde Dezembro de 2010 altura em que o mandato terminou. Estava prevista a realização de uma assembleia já em 2011, ainda dentro do prazo legal, o que não chegou a acontecer devido à instabilidade política. António João de Sousa garante que desde aí fez várias diligências no sentido de que o Governo tomasse uma decisão em relação ao novo conselho de administração mas não teve sucesso.


Fonte próxima da administração disse a O MIRANTE que o presidente, que se deslocava todos os dias de Évora para a sede da Companhia, encarava o cargo como “uma missão” e pretendia voltar à Universidade onde auferia rendimentos mais elevados. “Não foram questões financeiras que me fizeram aceitar o cargo”, confirma António João de Sousa, que foi chamado a exercer funções na Companhia das Lezírias em Julho de 2010, substituindo Vítor Barros, afastado pelo Governo que quis rentabilizar a empresa. O presidente da Assembleia Municipal de Viana do Alentejo, eleito pelo PS, vai regressar à vida académica já não como director de departamento na Universidade de Évora mas como docente de gestão.


Manuel Nogueira estava no conselho de administração como vogal desde 2005. Ana Caseiro, também vogal, não apresentou pedido de cessação de funções. Dois nomes são já falados como possíveis candidatos a líderes da Companhia das Lezírias. É o caso de Paulo Caetano, ex-cavaleiro tauromáquico e candidato pelo CDS-PP em Portalegre, e Salter Cid, que já ocupou o lugar de presidente das Lezírias.

 

visto no Jornal Mirante.

publicado por polvorosa às 19:56

22
Ago 11

"Para quem se lembra, o seu antigo programa “Plano Inclinado / SIC Noticias” este senhor ofendia o direito dos cidadãos portugueses a uma informação plural e rigorosa, em que os economistas residentes apenas representavam um pequeno segmento de opinião.
Era de facto um programa de pura propaganda ideológica, manipulando a opinião dos cidadãos e que os levava a acreditar, como inevitável, uma futura intervenção do FMI em Portugal. De certo os grandes grupos económicos protegidos da concorrência, com os bancos à cabeça, deverão estar bastantes gratos pelo serviço prestado, serviço, baseado numa propaganda neoliberal que manipulava sem dúvida alguma, a opinião de qualquer um, usando um bem público.
Afinal todos diferentes, todos iguais."

 

Comentário de leitor anónimo efectuado aqui.

publicado por polvorosa às 18:05

18
Fev 09

Ontem no Jornal da Noite, a SIC mostrou dois homens que na área metropolitana de Lisboa vivem em grutas. É chocante ver como no Século XXI, num país da União Europeia existem situações dramáticas deste tipo. A miséria humana está aí, as desigualdades são gritantes, muitos continuam a pavonear-se vaidosamente e ganaciosamente continuam a encher os bolsos à custa da desgraça alheia.

 

As instituições sem fins lucrativos e ONG's andam sem recursos, a sociedade tem dificuldades em responder a situações de emergência social grave, as empresas preocupam-se consigo mesmas esquecendo a responsabilidade social, o Estado perde-se em redes burocratas e em perdas de eficiência.

 

Será possível dormirmos descansados sabendo que existem à volta de 1200 pessoas sem-abrigo numa cidade dita cosmopolita como Lisboa? Em meio rural, a pobreza é mais envergonhada, mas também existe muita miséria e admira-me não haver soluções locais para enfrentar a crise económica e social. No meio desta turbulência pergunto a mim mesmo, quem são afinal os homens das cavernas?

publicado por polvorosa às 17:53

14
Dez 08

A Professora Manuela Silva do Conselho Nacional de Justiça e Paz é um excelente exemplo do posicionamento para problematizar e encarar o combate à pobreza e exclusão social. Esta semana foi a convidada do Programa “Diga lá excelência” do Jornal Público e da Rádio Renascença. Aqui pode ver a entrevista.  

 
publicado por polvorosa às 23:48

19
Out 08

Na passada 5.ª feira registou-se um incidente numa Escola da Malagueira (Évora). Consta que um aluno de 13 anos agrediu uma professora. Já todos percebemos que há alguma violência dentro das nossas escolas, também sabemos que há ainda mais casos de indisciplina dentro das salas de aula.

 

Mais importante do que medidas correctivas, vulgarmente conhecidas por castigos, são as medidas de prevenção e de inclusão destas crianças dentro do sistema escolar concedendo igualdade de oportunidades em termos de acção social escolar, transportes, livros e manuais escolares e tecnologias de informação e comunicação. Como é evidente, a família também importa e muito na progressão escolar das crianças, sabemos que não é a mesma coisa comparar uma criança que vive numa família rodeada de livros, com acesso à internet, num ambiente cultural e artístico avançado, com uma outra criança cuja família tem baixos rendimentos, baixa escolaridade e não tem acesso à (in)formação.

 

Neste sentido a escola moderna tem uma responsabilidade enorme e na minha opinião deve dar a mesma oportunidade a todos os alunos, mas não pode ficar por aí, o patamar seguinte tem a ver com avaliação, mérito, trabalho e esforço, ou seja, não é possível tratar por igual o que é diferente, daí detestar o facilitismo. Na próxima terça-feira, vai dar na RTP2 um documentário sobre o bairro da Malagueira a propósito das minorias étnicas e ciganitos aí residentes, é bem capaz de ser interessante para compreendermos a realidade dos bairros urbanos, através da abertura das escolas às diferentes culturas fixadas na comunidade.

publicado por polvorosa às 11:59

03
Out 08

Na passada quarta-feira, a R.T.P. colocou no ar a "Grande Reportagem" com o título "Viver com 400 euros". Esta peça jornalística deu a conhecer a D.ª Olga e o filho Zézinho. Esta família não vive, apenas sobrevive com uma quantia ridícula de 400 euros por mês para fazer frente ao galopante custo de vida português, ela ganha pouco mais de 2 euros por hora para trabalho em apoio domiciliário.

 
O filho não tem ocupação de tempos livre, é em muitos casos impossível comprar medicamentos, comprar peixe ou carne é um martírio, andar em transportes públicos uma dor de cabeça, férias uma ilusão.
Não podemos pactuarmos com este tipo de situações e meu Deus, são tantas e tantas as famílias nestas condições. Para perpetuar estas situações há depois o inverso que promove a grande desigualdade de rendimentos, eles são os gestores, os administradores, os políticos, os futebolistas, os jetsetsvips nacionais.
Esta reportagem da estação pública de televisão teve um mérito, gerou uma enorme onda de solidariedade dos telespectadores, uns ofereceram logo prática desportiva ao miúdo, outros transporte, outros casa para passar uns dias de férias, etc.
 
É bom saber que a sociedade portuguesa está atenta a estes casos denunciados pela televisão pública, mas a maior parte do tempo as televisões estão a brindar-nos com programas da treta e o mais grave de tudo é mantermos um estado assistencialista e não um verdadeiro estado-providência onde se considerem as pessoas como verdadeiros cidadãos com deveres mas também com direitos, não podemos ser sempre fortes com os fracos e fracos com os fortes. Quem não conhece pessoalmente uma Dona Olga? 
Aqui pode visualizar a reportagem.
publicado por polvorosa às 21:51

15
Set 08

Excelente o trabalho jornalístico da SIC e da RTP1 em prime time no passado domingo. A RTP1 passou um trabalho denominado "A luz dos meus dias" sobre as mulheres de Santo Aleixo da Restauração e a vida comunitária das mulheres naquela freguesia do concelho de Moura. Interessante, já tinha sido transmitido uma vez, no Dia da Mulher julgo, retrata a vida de várias mulheres de uma comunidade rural a partir de Ana, uma moça obesa, trabalhadora, esforçada e muito engraçada. O Grupo de cantares feminino alentejano "As Papoilas" ganharam um outro fôlego.

A SIC também esteve bem, passou uma peça jornalística sobre a realidade económica e social dos professores na Noruega, em Portugal e na Guiné, temos mesmo muito a aprender com o modelo nórdico, o meu favorito.

 
publicado por polvorosa às 21:48

21
Ago 08

No passado Domingo, a RTP transmitiu um excelente documentário sobre a vida do Dr. Fernando Nobre. Vida essa confundida com a Assistência Médica Internacional (A.M.I.). Já admirava este Homem, mas depois de conhecer a sua vida profissional e pessoal devo confessar estar ainda mais embasbacado com aquele que sem dúvida é um dos grandes portugueses dos nossos dias.

Muitas das grandes missões internacionais são por si pensadas, planeadas e executadas, ele está sempre lá, sempre na linha da frente, nos locais mais difíceis, inacessíveis e complexos, ele é o homem do terreno, não se fica pelo gabinete. 

A sua vida de solidariedade é um exemplo para todos nós, vivemos numa sociedade de consumo e de lazer, mas todos temos de nos empenhar contra a indiferença vigente nas nossas sociedades, seja na Quinta do Mocho seja no Sudão ou Iraque. Temos de lutar contra as desigualdades e deixar um planeta melhor aos nossos filhos, podemos não conseguir mudar o Mundo por completo, mas pode ser o início se conseguirmos mudar o mundo a alguém e fazer dele um lugar melhor para viver. Não importa ser políticamente incorrecto, desde que sejamos humanamente correctos. Grande lição, parabéns à RTP2 por destacar os grandes exemplos a seguir. 

publicado por polvorosa às 00:05

03
Ago 08

Os Jogos Olímpicos de Pequim 2008 têm início na próxima sexta-feira (8 de Agosto). Vão participar neles 78 atletas portugueses em 17 modalidades naquela que é a maior comitiva portuguesa de sempre, boa sorte para todos os atletas lusos. Existe alguma esperança em arrecadarmos algumas medalhas, sobretudo os holofotes vão estar em Vanessa Fernandes, Naide Gomes, Telma Monteiro e Nelson Évora, mas nestas coisas há sempre algumas surpresas.

Alguns elementos sobre estes Jogos Olímpicos, 25,6 mil milhões de euros foram já gastos na organização das Olímpiadas, vão participar 639 atletas chineses. Os chineses do ponto de vista desportivo têm espectativas elevadas, querem conquistar muito mais medalhas do que em Atenas 2004 onde ficaram em 3.º no ranking de condecorações, atrás dos EUA e da Rússia.

Problemas, alguns governantes como Angela Merkel, Gordon Brown e o secretário da ONU não vão estar presentes devido às questões dos direitos humanos na China e à crise no Tibete. O Presidente do Parlamento Europeu apelou aos atletas para estes fazerem "um sinal" contra a violação dos direitos humanos na China. Infelizmente ainda existe censura à consulta de algumas páginas na Internet e isso está a dificultar o trabalho de jornalistas, ainda por cima existe pressão internacional e os holofotes estão para aí todos virados, podemos imaginar como será para os chineses e fora deste evento, certamente um controlo apertado e desmedido à liberdade dos cidadãos.

Principal desafio: a poluição. Apesar do encerramento de fábricas nos arredores de da retirada de 300.000 automóveis da cidade para melhorar a qualidade em 20% parece que se vão colocar dificuldades extras aos atletas e é possível que se alterem alguns locais e horários para evitar males menores.  

Nota final, a SIC emitiu hoje uma Grande Reportagem "A Cortina de Pequim" sobre esta nova China do Século XXI, sem dúvida um gigante no plano político e económico , infelizmente que não seja assim também nos direitos humanos.  

publicado por polvorosa às 23:53

Inês de Medeiros e Sérgio Tréfaut estão de parabéns, eles são autora/realizadora e produtora do dopcumentário "Cartas a uma Ditadura" exibidos hoje na RTP2 com repetição no dia 18 de Agosto na RTP Internacional.

Isto de facto é serviço público de televisão. A base deste documentário está numa centena de cartas escritas por mulheres portuguesas em 1958 e encontradas ocasionalmente num alfarrabista. Estas mulheres respondiam a uma circular para participar num movimento de apoio à ditadura e ao ditador Salazar.

Algumas daquelas mulheres são hoje confrontadas com a história e o fantasma da ditadura salazarista.

publicado por polvorosa às 23:42

06
Jul 08

 

Esta noite, a SIC está de parabéns, a “Grande Reportagem” esteve na freguesia de Santo Aleixo da Restauração. Esta fica no concelho de Moura, tem 842 habitantes (Censos 2001) e uma densidade populacional equivalente a 4,7 habitantes por Km2
A reportagem consistiu em ver o que a população nos dias do Campeonato Europeu de Futebol 2008 fez, no fundo, mostrou o verdadeiro país, uma vila semelhante a muitas outras no Alentejo e na raia. Aqui fica o país verdadeiro, as pessoas genuínas, os sonhos e a sua rude vida quotidiana. Estas são as pessoas que dão vida às localidades, estas são as mãos que trabalham a terra e cuidam do gado.
Vidas reais, longe daquelas protagonizadas por Ronaldos e outras estrelas, por Caras e Jetsets. São estas almas que deviam contar porque estas existem, lutam contra a desertificação e o isolamento na labuta diária. As outras figuras públicas não existem, são meras criações artificiais da comunicação social, do marketing e da propaganda, não passam de figuras imaginárias ou virtuais, ou seja, não existem na realidade.  
publicado por polvorosa às 23:24

28
Jun 08

Hoje assisti ao final do Jornal Nacional na TVI, tive oportunidade de ver e ouvir os comentários de Vasco Pulido Valente (V.P.V.). Na minha opinião e apesar de divergir em muitos assuntos por si focados, uma coisa é verdade, o homem é inteligente, consistente e argumentativo. O aspecto positivo foi a mudança no formato, antes e tal como tive oportunidade de o dizer neste blogue, o formato não resultava quando Manuela Moura Guedes lia as crónicas, aquilo soava a algo horrível, em boa hora a TVI mudou o formato para muito melhor, mas o pessimismo crónico de V.P.V., esse ninguém consegue mudar.  

Como seria se a TIV colocasse os seus comentadores: VPV e Miguel Sousa Tavares num debate ou numa sessão de comentários conjunta? Podemos imaginar o pior cenário e quem sabe o início da 3.ª Grande Guerra. Enfim, para cenas tristes basta-nos o fado.

publicado por polvorosa às 00:06

Contador
Correio electrónico:
polvorosa@sapo.pt
comentários recentes
Deslize ou talvez não a despedida não é inédita. "...
"De lembrar que no contexto mais difícil desde que...
Respeito o seu comentário, mas eu cá acho que foi ...
Achei descabido a alusão a Eusebio no discurso da...
Estatisticas de funcionários nas autarquias a níve...
pesquisar neste blog
 
links
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links