Azáfama; grande atividade; agitação; rebuliço.

05
Ago 09

A política de verdade de Manuela Ferreira Leite está posta em causa. Vai colocar nas listas para deputados dois arguidos em processos judiciais, exactamente o que Luís Marques Mendes tanto criticou. Um dos arguidos alegadamente recebeu 150.000€ em pastas e envelopes de construtores civis; a outra é acusada de 22 casos de abuso de poder, entregava casas a quem recebia 2000€ e recusava habitação a pessoas com 200€. Estranha política de "verdade" esta.  

 

Pedro Passos Coelho fica fora das listas, um ajuste de contas de Ferreira Leite com o passado, mostra algum sectarismo e dificuldade em lidar com a crítica. 

Maria José Nogueira Pinto vai entrar em lugar cimeiro por Lisboa. Nas Jornadas Parlamentares do PSD no ano passado em Évora saiu-se com esta: "Dar 80 euros aos idosos em vez dos serviços de que eles precisam é um ultraje. Eles não precisam de 80 euros para irem beber cervejas, comer doces - são diabéticos e ficam doentes -, serem roubados pelos filhos". Faz sentido, Ferreira Leite não quer ser a única a dizer barbaridades sem sentido.

  

Mas o que mais de destaca é a incapacidade de renovação, senão vejamos: regresso de Pacheco Pereira, João de Deus Pinheiro, Couto dos Santos e outros. No Distrito de Évora o cabeça de Lista é Luís Capoulas. Estas pessoas são rostos do passado, será que não há melhor?  

 

Ficamos a saber que o PSD apresenta o Programa Eleitoral apenas a 27 de Agosto.

O Programa Eleitoral do PS pode ser lido aqui.

O Programa do Bloco de Esquerda está aqui.

 

publicado por polvorosa às 13:04
tags:

É verdade verdadinha, o PS não traz nada de novo, Capoulas Santos, decadas deputado, Zorrinho eterno deputado ( e não veem que o homem quer ser ministro) Listas das Autarquias PS os eternos candidatos os eternos +protagonistas. Verdade Verdadinha já xateia sempre os mesmos! E para fazerem as mesmas politicas, curioso de novo tem o peixe banana e o polvorosa. Para quem quiser entender.
Jose do Outeiro a 5 de Agosto de 2009 às 21:10

Na autarquia só temos tido um intérprete, o Estêvão e mais nenhum. Os outros que o mandatário anterior critica, ainda não tiveram oportunidade de ganharem as eleições e demonstrarem as suas capacidades.
Na vida profissional já muitos demonstraram que são válidos e competentes. Esperamos ver o Estêvão desmamado da Câmara para ver se ele tem pernas para andar sem a teta de alguma empresa municipal ou similar.
Dezasseis anos são demais, já chega de Estêvão e de João Garcia - está tudo parado!
Anónimo a 6 de Agosto de 2009 às 23:14

Contador
Correio electrónico:
polvorosa@sapo.pt
comentários recentes
Deslize ou talvez não a despedida não é inédita. "...
"De lembrar que no contexto mais difícil desde que...
Respeito o seu comentário, mas eu cá acho que foi ...
Achei descabido a alusão a Eusebio no discurso da...
Estatisticas de funcionários nas autarquias a níve...
pesquisar neste blog
 
links
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links