Azáfama; grande atividade; agitação; rebuliço.

31
Out 11

 

As empresas vão poder decidir unilateralmente que o trabalhador entra meia hora mais cedo, sai meia hora mais tarde ou reduz a hora de almoço. Medida será totalmente gratuita para as empresas.

 

As empresas poderão decidir unilateralmente que o trabalhador passa a entrar meia hora mais cedo, a sair meia hora mais tarde ou reduzir o horário para almoço, esclareceu hoje fonte oficial do Ministério da Economia.

Esta é um dos aspectos da proposta que hoje foi debatida em concertação social, que prevê o aumento do horário de trabalho em meia hora diária ou duas horas e meia por semana, de forma flexível. Sempre que se respeitarem estes limites, e que as duas horas e meia sejam concentradas num ou em mais dias normais de trabalho, não será necessário acordo com o trabalhador.

Já quando haja acordo com o trabalhador, ou trabalho por turnos, as empresas poderão acumular a meia hora extra durante um período de até quatro semanas, condensando o trabalho extraordinário na semana subsequente.

Nestes casos, o trabalho poderá ser distribuído pela quinta semana ou concentrado num sábado, por exemplo. Isto porque a proposta que hoje foi debatida apenas determina o trabalho não possa ser realizado em dia de "descanso semanal obrigatório", que é geralmente o domingo.

O tempo de trabalho prestado ao abrigo deste regime será totalmente gratuito para as empresas, acrescentou ainda o Governo.

Sindicatos dizem que as empresas poderão fazer o que quiserem
A proposta que hoje foi apresentada é uma "declaração de guerra", afirmou João Proença, à saída da reunião de concertação social. "Inaceitável, inconcebível", reagiu Arménio Carlos, da CGTP.


As estruturas sindicais entendem que os critérios definidos pelo Governo não protegem o trabalhador.

esde logo, explicou João Proença, porque a empresa poderá distribuir as duas horas e meia de trabalho pela semana da forma que entender.

Em segundo lugar, argumentou, porque o facto do regime mais flexível estar sujeito a acordo com o trabalhador não garante nada. "Que poder negocial tem neste momento o trabalhador? Que poder negocial tem você?", reagiu o secretário-geral da UGT.

Arménio Carlos afirmou que esta medida vai implicar o equivalente ao corte de um salário mensal por ano, quando "os trabalhadores portugueses já são os que trabalham mais".

"Aquilo que o Governo está a fazer é a propor uma redução brutal do salário dos trabalhadores. Estamos perante o roubo de um salário por mês", afirmou. O dirigente da CGTP salientou que, uma vez que o valor hora desce, a medida vai implicar uma redução do valor dos subsídios indexados ao valor hora.

Nalguns casos, a medida implicará "um sábado por mês de borla", afirmou.

Comércio apoia mas preferia alternativas
A Confederação do Comércio e Serviços preferia que, em alternativa, o Governo reduzisse quatro feriados e três dias de férias, hipótese que não foi afastada pelo Executivo.


Ainda assim, salientou João Vieira Lopes, da CCP, "a medida interessa aos sectores de mão-de-obra intensiva, aos que trabalham em linha de montagem e aos que pagam muitas horas extraordinárias", considerou. O Governo tem dito que o objectivo é fomentar as exportações.

Já no caso dos serviços, acrescentou, o impacto será "reduzido". "Os serviços de mão-de-obra intensiva poderão reduzir os quadros de pessoal. As grandes unidades comerciais também", afirmou.

 
publicado por polvorosa às 21:25
tags:

publicado por polvorosa às 21:20
tags:

O mandado de captura de Duarte Lima já chegou à polícia internacional.

 

 

A Interpol já tem na sua posse o mandato internacional de captura emitido pelas autoridades brasileiras em nome de Duarte Lima, acusado do homicídio de Rosalina Ribeiro.

A rapidez com que o pedido foi efectuado denuncia a urgência da policia brasileira em capturar o advogado português. Segundo a RTP, o pedido de captura estará classificado como Alerta Vermelho - solicitando a maior urgência no tratamento do caso - , mas ainda não terá sido formalmente comunicado à Justiça portuguesa.

O ex-líder parlamentar do PSD continua em parte incerta, mas é cada vez mais certo que Portugal acabará por ser o único lugar mais ou menos seguro para o responsável que foi acusado pelo Ministério Público brasileiro de ter assassinado Rosalina Ribeiro, em 2009.

O ex-deputado é descrito pela acusação do Ministério Público brasileiro, assinado pela juíza Gabriela de Aguillar Lima, como alguém "com ausência de sensibilidade de depravação moral", tendo em conta os motivos que alegadamente terão levado ao crime.

 

visto no Económico.

publicado por polvorosa às 21:11
tags:

28
Out 11

 

 

 

O Encontro de Trabalho realizado pelo Movimento e concelhia do PS de Viana do Alentejo realizado no dia 22 de Outubro merece alguns destaques. Com efeito, cerca de 70 participantes para um encontro de trabalho com apresentação dos resultados nos primeiros dois anos do mandato autárquico e discussão sobre o trabalho a fazer nos anos futuros, é assinalável.

A abertura dos eleitos do movimento no executivo municipal, juntas de freguesia de Viana do Alentejo e Alcáçovas, e assembleia municipal, para escutar as várias opiniões dos apoiantes e abrir à participação dos cidadãos é bastante salutar e demonstra saúde democrática.

O bom relacionamento entre os eleitos locais com a concelhia e a distrital do PS, revela forte união, não só para condenar, mas sobretudo para enfrentar os grotescos e cegos cortes orçamentais nas transferências do Governo PSD-CDS para as autarquias que visam prejudicar a qualidade de vida dos cidadãos de territórios do interior e um estúpido empobrecimento dos portugueses.

A juventude dos participantes no encontro é uma marca que este projecto tem visão de médio e longo prazo e não se esgotou neste ciclo eleitoral 2009-2013, certamente haverá equipa, ideias e projecto para um mandato consistente e com resultados robustos dentro dos recursos disponíveis, estes últimos lamentavelmente cada vez menores, mas com uma gestão eficiente é possível fazer mais com menos.

Os eleitos da Câmara vão no início de Novembro participar em sessões públicas nas 3 freguesias, há abertura para dialogar com os cidadãos de forma a fazer o melhor pelas pessoas e território, obviamente estão todos convidados a participar.  

publicado por polvorosa às 23:58

Sondagem mostra que há muita desconfiança e descrença em relação às opções políticas do Governo de Passos Coelho e Vítor Gaspar.

 

O Governo só leva quatro meses de vida, mas os portugueses não parecem dispostos a dar nota positiva no primeiro grande teste do Executivo: O Orçamento de Estado para 2012.

Com efeito, a sondagem da Eurosondagem para o Expresso, RR e SIC mostra que uma clara maioria dos inquiridos está contra a proposta de Orçamento do Estado. E não acredita que as metas orçamentais previstas sejam cumpridas. E, ainda, não tem confiança no Governo ou no rosto deste Orçamento, Vítor Gaspar.

 


Ficha técnica

Estudo de opinião efetuado pela Eurosondagem, S.A. para o Expresso, SIC e Rádio Renascença, de 20 a 25 de outubro de 2011. Entrevistas telefónicas realizadas por entrevistadores selecionados e supervisionados. O universo é a população com 18 anos ou mais, residente em Portugal Continental e habitando em lares com telefone da rede fixa. A amostra foi estratificada por região - norte (19,9%), A.M. do Porto (14,3%), centro (29,9%) A.M. de Lisboa (26,1%) e sul (9,8%), num total de 1032 entrevistas validadas. Foram efetuadas 1336 tentativas de entrevistas e destas 304 (22,8%) não aceitaram colaborar no estudo de opinião. Foram validadas 1032 entrevistas, correspondendo a 77,2% das tentativas realizadas. A escolha do lar foi aleatória nas listas telefónicas e entrevistado, em cada agregado familiar, o elemento que fez anos há menos tempo. Desta forma resultou, em termos de sexo, feminino - 51,1%, masculino - 48,9%; e no que concerne à faixa etária dos 18 aos 30 anos - 17,4%, dos 31 aos 59 - 47,4%, com 60 anos ou mais - 35,2%. O erro máximo da amostra é de 3,05%, para um grau de probabilidade de 95%. Um exemplar deste estudo de opinião está depositado na Entidade Reguladora para a Comunicação Social.

 

Visto no Semanário Expresso.

publicado por polvorosa às 23:48
tags:

“Good Bye Lenin!” * Sexta-feira, 28 de Outubro * 21:30 Horas – Ciclo Anual de Cinema Europeu

 


Ano: 2003
País: Alemanha
Género: Comédia, Drama

Duração: 121 m.

Classificação: M/12

Realização: Wolfgang Becker

Intérpretes: Daniel Bruhl, Katrin Sass, Chulpan Khamatova

 

Sinopse:

Ao ver o filho Alex ser preso numa manifestação, Christiane tem um ataque cardíaco e entra em coma. Quando acorda, vários meses depois, já o Muro de Berlim e o RDA caíram. Sabendo que o mínimo choque pode ser fatal para a mãe, Alex tenta esconder as mudanças da sociedade, fabricando programas de televisão já extintos e mantendo o apartamento enraizado no passado.

 


“Os Pinguins do Sr. Popper” * Domingo, 30 de Outubro * 16:00 Horas 

 

Ano: 2011
País: EUA
Género: Comédia
Duração: 94 min.
Classificação: M/6
Realização: Mark Waters

Vozes: Herman José

 

Sinopse:

Esta é a história de um bem sucedido homem de negócios que subitamente herda 6 pinguins. Graças a este fenómeno, o homem frio e desinteressante torna-se numa pessoa totalmente diferente, descobrindo o valor da família e da amizade.

publicado por polvorosa às 13:36

21
Out 11

 

Detesto cada vez mais esses programas televisivos da treta, refiro-me à casa dos segredos, a quinta das celebridades, o não sei quê da selva, o big brother, etc., merdices que não têm conteúdo, só farsas e encenações, actores sem qualidade. A partir do próximo Domingo as previsões meteorológicas prevêm chuva, nada melhor do que ficar em casa a ler um livro. Recomendo o livro "Mil novecentos e oitenta e quatro" de George Orwell escrito em 1948. É curioso porque este livro criticou profundamente o stalinismo e foi invocado por ideólogos democratas, porém, actualmente as democracias capitalistas usam precisamente muitos daqueles sistemas de fiscalização baseados na electrónica, tanto nos sistemas de trabalho como inclusivamente no próprio lazer.

O Big Brother é hoje muito real, está actualmente presente no espaço e no tempo nas sociedades modernas. Sugiro a leitura do livro em que a personagem de Winston Smith falsifica literatura para dar sempre razão ao governo, até desiludir-se com o sistema e iniciar uma autêntica revolução contra o sistema que integrava. 

Quem preferir o cinema, existe uma adaptação desta obra, lançada em 1984, por Michael Radford e interpretada por John Hurt e por Richard Burton.  

publicado por polvorosa às 22:54
tags:

 

 

 

 

publicado por polvorosa às 22:49

18
Out 11

Como mãe deixem-me também desabafar:

Ao contrário da anterior mãe eu não votei no Sr. Bengalinha, votei no Sr. Brito e Silva e sei que o “extra” de 1 milhão de euros que a Câmara recebeu pela obra das piscinas de Alcáçovas, deu muito trabalho ao actual presidente o encaixe desse dinheiro nos cofres da autarquia.

Não concordo que se gaste o dinheiro ao desbarato, pois se a Câmara não tivesse arrecadado essa verba estaria neste momento num situação difícil para executar as obras em andamento. Prefiro por exemplo ter uma escola nova onde a minha filha possa aprender, num local com todas as condições, do que ver desbaratar tanto dinheiro, em três relvados, um por cada freguesia, somando os três a módica quantia de 450 000 €.

A solução de poupança proposto pela anterior mãe, passando pela redução das despesas com pessoal, como sabe, não é fácil fazer abdicar dos cargos alguns trabalhadores que estão na Câmara sem fazer nada. Um já se foi embora no final do contrato que terminou em Agosto, mas como é que o Sr. Bengalinha despede aquela senhora e aquele senhor, este último trabalhador encostado desde 2008 pelo Estêvão.

Vocês sabem de quem falo.

Concordo que se poupava muito dinheiro se essas pessoas “abdicassem”, a alternativa seria despedi-los, mas não é fácil desempregar funcionários públicos, mesmo aqueles que nada fazem.

A senhora fala da facilidade com que vão arrelvando os campos de futebol do concelho de Portel, mas Portel tem os esgotos, as estradas e as ruas arranjadas e agora já se pode dar ao “luxo” de relvar os campos de futebol com alguns “extras” que caem do céu.

Outra questão que devemos questionar. Qual seria o papel dos clubes no financiamento dos relvados? A Câmara entra com todo o dinheiro?

Os clubes de futebol gastam a maior parte do dinheiro nos prémios/salários dos seniores, a maioria desses jogadores nem residem no concelho, então se têm dinheiro para pagar a jogadores, porque não reduzem essas despesas para relvarem os seus campos?

Mesmo que a Câmara ajudasse nas despesas desses arrelvamentos, quanto pagariam os clubes?

O seu filho joga no Viana, num campo de terra, naturalmente seria melhor jogar num relvado, mas da mesma forma que os seniores do Viana jogam no relvado do campo de Alvito, talvez pudessem ser criadas condições para que o seu filho também lá pudesse jogar.

Veja bem, a minha filha para praticar natação, fora do período do Verão, tem de se deslocar 20 km até Alcáçovas, distância muito inferior aos 8 km que dista Alvito.

Eu deixo bem claro, ao contrário da senhora eu não votei no Bengalinha por não acreditar nas suas propostas, mas nestes dois anos tenho visto coisas com as quais me identifico.

 

Comentário efectuado aqui.

publicado por polvorosa às 08:11
tags:

16
Out 11

 

Tendo a questão do 1º Relvado sido falada durante a campanha eleitoral autárquica, trago-a novamente à actualidade dado o desvio dos jogos de futebol do Sporting Clube de Viana para Alvito. Sendo esta uma decisão, que não discutirei aqui e agora, vejo nela uma tentativa de culpabilização da anterior vereação – pelo não arrelvamento – e uma chantagem sobre a actual vereação da Câmara Municipal – forçando o arrelvamento. É um golpe de asa a que já estamos habituados, próprio do caciquismo futeboleiro, do nosso associativismo.

 

Li com atenção as explicações sobre o assunto com o titulo “Mentir/Omitir ou um hábito que enraizou! Até quando?” no Blogue do Estevão. Respeito as explicações dadas mas não emitirei qualquer juízo de valor, ao contrário do autor, que julgando-se detentor da verdade absoluta, classifica as opiniões dadas por outros.

 

A verdade nua e crua a que ninguém pode fugir, é só uma:

Entre os 308 concelhos, apenas 3 não possuem relvado, sendo o nosso um deles

 

Isto é apenas o efeito de muitas causas remotas. Aponto duas, por serem as mais importantes e, servirem de ponte entre todas elas:

- política de 16 anos, da Câmara Municipal, onde desprezaram uns e promoveram outros, não olhando a competências mas só a interesses partidários

- política desportiva propícia a golpadas de toda a ordem, contribuindo-se assim para o descrédito das associações, junto da população com o  afastamento desta.

 

Tudo isto deu como resultado a ausência de agentes credíveis para interlocutores válidos da Câmara Municipal num processo, que aqui em Viana do Alentejo todos sabemos estar inquinado.

Quem semeia ventos, colhe tempestades!..

O anterior Presidente da Câmara Municipal, teve obviamente responsabilidades nisto tudo pelo que não poderá sacudir a água do capote.

 

       José de Viana

 

Enviado por jvsapo@sapo.pt para divulgação em polvorosa@sapo.pt

publicado por polvorosa às 14:43

15
Out 11

publicado por polvorosa às 21:02

publicado por polvorosa às 00:04

Contador
Correio electrónico:
polvorosa@sapo.pt
comentários recentes
Deslize ou talvez não a despedida não é inédita. "...
"De lembrar que no contexto mais difícil desde que...
Respeito o seu comentário, mas eu cá acho que foi ...
Achei descabido a alusão a Eusebio no discurso da...
Estatisticas de funcionários nas autarquias a níve...
pesquisar neste blog
 
links
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links